Cristão Luterano
Bem-vindo Visitante!

IMPORTANTE! LEIA!

Faça seu cadastro e tenha liberdade para ler todos os tópicos do fórum Cristão Luterano. Aproveite o cadastro para conhecer e aprender.

_________________________
crscapixaba-admin
ADMINISTRADOR





Leia as CONDIÇÕES E REGRAS do Fórum:


Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Últimos assuntos
» Jeremias 1.4-10
Ter Jan 29, 2013 5:23 pm por crscapixaba-admin

» Lucas 4.14-21
Ter Jan 29, 2013 5:15 pm por crscapixaba-admin

» 1 Coríntios 12.1-11
Ter Jan 29, 2013 5:12 pm por crscapixaba-admin

» Lucas 2.15-21
Ter Jan 29, 2013 4:58 pm por crscapixaba-admin

» Lucas 3.15-17, 21-22
Ter Jan 29, 2013 4:44 pm por crscapixaba-admin

» Sofonias 3.14-20
Sex Dez 14, 2012 9:26 am por crscapixaba-admin

» 1 Tessalonicenses 3.9-13
Qua Nov 28, 2012 9:32 am por crscapixaba-admin

» Marcos 13.1-8
Ter Nov 20, 2012 10:05 am por crscapixaba-admin

» 1 Reis 17.8-16
Sex Nov 09, 2012 4:02 pm por crscapixaba-admin

Tópicos mais ativos

Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 16 em Sab Mar 30, 2013 10:02 am

Marcos 12.38-44 - pregação

Ir em baixo

Marcos 12.38-44 - pregação

Mensagem por crscapixaba-admin em Sex Mar 25, 2011 10:03 am




Marcos 12:38-44

Mara Parlow
23° Domingo após Pentecostes, 08.11.2009



Amada irmã, amado irmão em Cristo!

Provavelmente, em sua cidade ou na localidade em que vive, há um lugar onde acontece certa aglomeração de pessoas, volta e meia. Normalmente, na área urbana, isso acontece em alguma esquina, nos dias chamados "úteis": gente pra lá e pra cá; gente que entra, gente que sai; um alô rápido de alguém que passa do outro lado da rua; alguém que atravessa essa mesma rua para dar aquele abraço em outro alguém que não via há tempos; acenos; cumprimentos; conversas rápidas; pressa... Enfim, bastante movimento... Também, porque geralmente, nesse local, encontram-se os estabelecimentos bancários.

Em cidades pequenas, isso é notável: muita agitação até certa hora da tarde e, então, calmaria outra vez. Nesse caso, quem encontra paciência (e tempo!) para se sentar e para apreciar a movimentação, pode perceber toda a qualidade de deslocamentos e de jeitos que se somam nessas horas. Há gente demonstrando preocupação. Há gente contente. Há gente apressadíssima. Há gente tranquila. Há gente agitada. Há gente aparentando nível social alto. Há gente aparentando pertencer a classes, digamos, populares.

Quando li e meditei no texto de Marcos 12.38 a 44, ponderei imediatamente sobre a imagem de Jesus, assentado próximo ao "recinto das ofertas" ou "câmara dos tesouros" (gazofilácio, cf. v. 41). Este recinto, por sua vez, era situado no pátio das mulheres, ou seja, na parte do Templo de Jerusalém à qual todas as pessoas tinham livre acesso. Ocorreu-me, pois, a figura de Jesus a observar a movimentação... Um cenário tenso - como as esquinas de "negócios" de nosso lugar - contudo, nosso Mestre e Senhor com olhos mansos, numa postura ensinante e atenta ao que se dava no seu entorno.

Eis o ponto de partida em meu meditar e a partir do qual vamos refletir a seguir.

Naquelas "alturas do campeonato" - quero dizer: no contexto em que o evangelista Marcos escreve a passagem bíblica citada -, Jesus já estava ciente do seu processo revelatório que se dava em Jerusalém. E já estava em conflitos e ruptura definitiva com os líderes de seu povo. Assim, na ocasião descrita por Marcos, Jesus estava sentado no Templo e alertou severamente quem o seguia para a hipocrisia dos escribas que se autoafirmavam nos primeiros bancos das sinagogas e faziam "longas orações", mas exploravam viúvas. Junto ao pátio das mulheres, também podia ver o movimento no gazofilácio e, assim, perceber diferentes atitudes: a de ricos que depositavam grandes quantias e a da viúva (que nem precisa ser dita pobre, porque assim o eram todas as viúvas na época!). Ela doa "tudo o que possui".

Jesus olha, repara e declara, então, que a viúva, ao colocar duas moedas, ou seja, ao dar de sua pobreza "tudo que possuía" (v. 44), colocou toda a sua vida perante Deus. Ela demonstra a atitude da fé como total entrega confiante a Deus. Em suma, o escrito bíblico que, sob o Santo Espírito de Deus é recebido por nós como luz para os pés e lâmpada para o caminho, coloca em evidência fortes CONTRASTES. A nutrição de nossa fé pela Palavra vem, portanto, do reconhecimento destes contrastes...

O redator do evangelho claramente fez oposição entre a atitude dos mestres da lei (escribas) e a atitude da viúva. Marcos junta as duas porções: "Jesus censura os escribas", nos vs. 38-40, e "A oferta da viúva pobre", nos vs. 41-44. E ele o faz por contraste, sendo o termo viúva o "gancho" para isso. Possivelmente, seja ela justamente uma das viúvas exploradas pelos mestres da lei que Jesus aponta para exemplificar a atitude verdadeira de doação e de devoção. Jesus condena, com rigor, o fato de que os escribas, de alguma forma, tiram os recursos das viúvas - os recursos destinados a elas pela caixa comunitária ou algo assim - e hipocritamente consideram-se "melhores" na adoração a Deus ("sentam nas primeiras cadeiras nas sinagogas") e "melhores" na vida cidadã ("saudações nas praças").

Na sociedade israelita da época, a viúva era marginalizada porque dependia inteiramente dos demais para sobreviver. Viúvas estavam no nível de pedintes, caso não tivessem algum amparo com posses. Portanto, para além do contraste fundamental e mais óbvio no registro do evangelista (v. 41: ricos e v. 42: viúva pobre), Jesus "desloca" a viúva da situação de sujeito marginal trazendo-a para o centro. A viúva é feita referência de devoção e de fé. E não os "senhores da lei".

Jesus não compara, simples e apressadamente, ricos e pobres... Mas, compara o que realmente FAZ DIFERENÇA na ATITUDE das pessoas crentes. Jesus coloca a atitude da viúva como exemplo quando todos viam a postura dos mestres da lei como exemplo. A Palavra revela, principalmente, a distinção para as ações (cf. o v 44: o que tem mais valor? Dar o que sobra ou "todo o seu sustento"?) e para a atitude devocional, a atitude de fé. Porque no desprendimento e na entrega confiante as duas moedas da viúva valem mais do que o "caminhão" de orações dos escribas. A atitude da viúva a (re)liga mais a Deus do que os discursos, as performances públicas e as preces vazias dos escribas.

Há, pois, um contraste substancial nos jeitos de "temer e amar a Deus": pois, há mais religião (ação que (re)liga a pessoa a Deus) no ato da viúva pobre do que nas atitudes de quem se arroga a melhor condição público-cúltica (escribas) ou de quem, mesmo possuindo muito, destina como oferta apenas o que lhe sobra.

Concluindo, podemos arrematar nossa meditação com uma Palavra da Carta de Tiago (1.27): "A religião pura e sem mácula, para com o nosso Deus e Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e a si mesma(o) guardar-se incontaminada(o) do mundo".

Que nosso olhar, pois, seja manso, observante e verdadeiramente devoto, diante da movimentação tensa do mundo, enquanto participantes da mirada redentora de Jesus Cristo!

Amém!


Pa. Mara Parlow
São Sepé, RS, Brasil
E-Mail: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
avatar
crscapixaba-admin
Admin

Masculino Pontos : 1051
Reputação : 0
Data de nascimento* : 17/06/1986
Data de inscrição : 16/03/2011
Idade : 32
Residência* Residência* : Jaraguá do Sul - SC

http://cristaoluterano.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum